Informativo nº 3 – Acampamento Internacional de Observadores dos Guarani Kaiowá em MS

Aldeia Kaiowá Guarani organiza acampamento de resistência com a presença de observadores internacionais

Durante o ano de 2012 a situação vivenciada pelo povo Kaiowá Guarani, no Mato Grosso do Sul, ganhou maior repercussão após divulgação de carta na qual os Kaiowá Guarani afirmavam cometer suicídio coletivo caso a ordem de despejo da Aldeia Puelyto Kue fosse concretizada. O desencontro de informações – gerada em grande medida pela postura oficial assumida pela Funai ao negar resolução aprovada no principal conselho Guarani Kaiowá, o Aty Guasu – deu a tônica nos debates que se seguiram, revelando o desconhecimento da maioria da população em relação a opressão sofrida por este povo na luta pela demarcação de seus territórios tradicionais.

A repercussão do fato ampliou o número de pessoas que passaram a se solidarizar com a causa do povo Kaiowá Guarani, nacional e internacionalmente. Apenas no Brasil, mais de 50 atos foram realizados em diversas cidades do país, o que não significou, propriamente, uma mudança na qualidade de vida deste povo, que segue oprimido pelo agronegócio e pelo próprio Estado. Por este motivo, foi formado o Comitê Internacional de Solidariedade ao Povo Kaiowá Guarani. O Tribunal Popular, que também compõe o Comitê, dentre outras ações, organizou um acampamento de observadores na Aldeia Taquara, localizada no município de Juti, e a segunda “Expedição Marco Veron” – que leva o nome do cacique assassinado em 2003 – que seguirá durante todo o mês de janeiro de 2013, levantando dados referentes à situação em que se encontra o povo Kaiowá Guarani.

O objetivo do acampamento de observadores, iniciado em dezembro, é coibir a violência praticada por milícia chamada Sepriva Segurança, organizada por policiais da DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e pela FAMASUL (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul) a mando do fazendeiro Jacinto Honório Silva Filho. Conforme Ernesto Veron, filho do cacique Marco Veron e representante da liderança Guarani Kaiowa na Taquara, “é importante que os observadores estejam aqui para ver com seus próprios olhos as dificuldades e ameaças: A dificuldade da oca (casa ritual), alimentação, saúde e, sobretudo, com a justiça – que não se importa muito com a gente. É importante que levem todas estas dificuldades na memória para que eles possam levar para a justiça e demais autoridades o nosso sofrimento na Aldeia Taquara.”

Neste curto espaço de tempo foi notado tentativas de intimidar o povo Guarani Kaiowa, como a presença constante de carros que passam pela aldeia ameaçando e ofendendo a população, inclusive as crianças.

A opressão se intensificou na região com a expansão das fronteiras agrícolas, no contexto de reconfiguração do agronegócio no final da década de 1970.

As terras da aldeia Taquara já foram reconhecidas, porém a população aguarda há 13 anos pela homologação. O processo de demarcação, iniciado em 2000, foi interrompido em 2010 após decisão do ministro da Justiça, Paulo Barreto, que suspendeu a portaria que declarava a Terra Indígena Taquara como tradicionalmente indígena, o que significa na prática, a posse permanente da área aos Guarani Kaiowá.

A área reconhecida pela Funai apresenta um total de 9.700 ha. Segundo as lideranças locais, destes 9.700 ha, 4300 ha foram invadidos pela monocultura da soja e pelo menos 4.700 ha por pastagens destinadas à produção pecuária. Na conta final, aos Guarani Kaiowá restaram 90 ha.

Neste contexto de violência generalizada e desrespeito aos direitos do povo Guarani Kaiowá, tanto o acampamento quanto a expedição se colocam como mais uma forma de resistência. E neste espaço, divulgaremos boletins direto da aldeia Taquara com as informações observadas.

Acampamento na Aldeia Taquara

Acampamento na Aldeia Taquara

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s